ABES

http://abes-sp.org.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/330350economiaagua.jpglink
http://abes-sp.org.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/241326diadesol2015.jpglink
http://abes-sp.org.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/514816banner_1.jpglink
http://abes-sp.org.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/611994jps080916.jpglink
porno izle
Home Boletim Geral Redes de Supermercados ainda se adaptam ao veto às sacolas plásticas
Redes de Supermercados ainda se adaptam ao veto às sacolas plásticas PDF Imprimir E-mail

Funcionários relatam o cotidiano da relação com os consumidores. Especialistas conferem visão crítica ao tema e expandem discussão

Por Victor Faverin

sacolas-plasticas-001 setor ambiental, por vezes tão restrito a especialistas, ganhou aspecto tangível nos últimos três meses na cidade de São Paulo. O veto à distribuição de sacolas plásticas nos supermercados efervesceu em conversas corriqueiras e tornou-se pauta dos principais veículos de comunicação.

A decisão, acordada entre a Associação Paulista de Supermercados (Apas), Ministério Público de São Paulo e a Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon), como parte integrante da campanha “Vamos tirar o planeta do sufoco” influiu em um hábito enraizado na cultura da população. Assim, ainda que os princípios da nova medida tenham sido traçados, é importante verificar como reagem os elos fundamentais desta cadeia: consumidores e operadores de caixa de supermercados.

A rede de hipermercados Extra, pertencente ao Grupo Pão de Açúcar, por exemplo, ainda distribui sacolas, mas apenas até o dia 03 de abril, data estabelecida como limite de adesão aos supermercados. Segundo Antônio Jacélio, gerente operacional da loja Extra na Av. General Edgar Faccó, Freguesia do Ó, Zona Norte da cidade, a orientação é a de não deixar o cliente desamparado. “Por sermos uma loja varejista, recebemos uma grande quantidade de caixas de papelão e as disponibilizamos aos consumidores”, relata.

A unidade comercializa sacolas retornáveis que, em dependência do volume máximo suportado e da estampa, variam de R$0,50 a R$2,99. “Observamos algumas reclamações de pessoas que ainda não entendem ou não aprovam o acordo firmado, mas acredito ser algo natural de acontecer, sendo que é algo recente”, completa.

Mônica Suzana, fiscal de caixa da mesma loja, conta que já foi acionada algumas vezes pelas operadoras do estabelecimento em virtude de clientes exaltados e contrários à falta de distribuição. “Quando explicamos a nova medida, assim como fomos orientados a fazer pela Apas, o cliente passa a entender e, na próxima compra, já retorna com uma opção de acondicionamento de produtos para já se adaptar à nova realidade”, diz.

No supermercado Sonda da Vila Pompéia, Zona Oeste, a gerência fixou banners explicativos nos pisos do estacionamento e nas entradas da loja, alertando o consumidor sobre a mudança. Esta iniciativa é, inclusive, rechaçada pelas outras lojas do grupo. “No dia 25 de janeiro, aniversário da cidade, quando o acordo foi firmado, distribuímos gratuitamente uma sacola retornável para cada cliente que entrasse na loja”, lembra Marcos Antônio de Menezes, encarregado de frente de caixa.

“Agora, até o dia 03 de abril, ainda forneceremos sacolinhas plásticas, mas as operadores de caixa foram instruídas a induzir o cliente a trazer opções mais ecológicas da sua própria casa, ou mesmo a transportar em caixas de papelão espalhadas pela loja”, complementa. “Falo ao cliente sobre a nova regra, mas a maioria já conhece, ainda que nem todos concordem”, explica Carla Lima Dias, operadora de caixa do estabelecimento.

Clientes

Para Gustavo Souza Pinto, administrador de empresas e cliente da loja Carrefour do bairro do Limão, a proibição do acondicionamento de produtos com sacolas plásticas é parte da tendência do país a discutir temas tocantes à preservação ambiental. “Esta é uma medida que já deveria estar em uso há muitos anos, talvez décadas. Pode ser uma pequena parte da solução”, argumenta.

Já Felipe César Moraes Viana, estudante de arquitetura e freqüentador do Walmart de Santo Amaro, Zona Sul da cidade, acredita que o acordo não terá o retorno esperado pelas entidades envolvidas e parte da população. “Não acho que sacolas plásticas sejam um problema muito grande. Lógico que se pudermos evitá-las, melhor, mas o mundo precisa de ações mais concretas, como medidas de cortes de emissões de gases do efeito estufa, por exemplo”, opina.

Lurdes Conceição dos Santos, dona de casa e cliente de diversos supermercados apoia a campanha, mas ressalva que as sacolas retornáveis oferecidas pelas lojas possuem um preço abusivo. “Às vezes você precisa de poucos itens e acaba pagando pela sacola retornável quase o mesmo que gastou com os produtos que comprou. Sei que é algo para conservar o meio ambiente, mas precisa conservar, também, o bolso do cliente”, destaca.

Para reverter esta situação, o acordo firmado entre a Apas e demais órgãos prevê que a partir do dia 03 de abril, os supermercados deverão oferecer, durante um período de seis meses, sacolas reutilizáveis a um preço que não ultrapasse R$0,59.

Especialistas

fotoroseanneDe acordo com Roseane Garcia Lopes de Souza, coordenadora da Câmara Técnica de Resíduos Sólidos da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária (ABES-SP), a campanha deve ter como premissa o meio ambiente e a saúde pública. “A conta ambiental sozinha não se sustenta, deve-se ter a inclusão da conta da saúde pública. As embalagens são necessárias, porque garantem a qualidade dos produtos e, portanto, em termos sanitários, são fundamentais”, avalia.

Para ela, especificamente ao que se refere às sacolas de supermercado, a questão não se restringe ao plástico e envolve, também, a deficiência ou ausência da coleta seletiva. “Precisamos retornar as embalagens para o ciclo de novos produtos”. Roseane defende a composição de uma Análise do Ciclo de Vida (ACV) para se definir os gastos de recursos naturais com a fabricação de sacolas de plástico, papel e de pano. “Essa conta também deve ser feita e apresentada para a sociedade civil. Precisamos não só sensibilizar a sociedade, mas informá-la com dados técnicos”.

A especialista lembra que boa parte da população reusa a sacola plástica para embalar o lixo doméstico no aguardo da coleta municipal. “Já verificamos que o lixo está sendo disposto a granel, diretamente na rua e, com isso, haverá um aumento na população de vetores e roedores e, por consequinte, agravos e doenças relacionadas podem aumentar na população, e essa conta quem paga é o Sistema Único de Saúde (SUS)”, esclarece.

Para ela, no entanto, a proposta da Apas é louvável, mas precisa englobar uma amplitude de assuntos que foram ignoradas na campanha. “A sustentabilidade é um conceito mais amplo e abrange questões econômicas, sociais e de saúde pública. Precisamos de uma ação conjunta dos governos, empresas e sociedade civil”, finaliza.

Abrelpe-e-RMAI1Em complemento às considerações de Roseane, Carlos Roberto Silva Filho, diretor executivo da Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe), exemplifica o atual uso exagerado de embalagens com um acontecimento cotidiano. “Ao comprarmos um sapato, levamos para casa uma sacola, uma caixa de papelão, um papel envolvendo o sapato e dois tufos de papel dentro do calçado, além do manual de cuidados com o produto. Se for para presente, ainda há o embrulho, ou seja, é uma quantidade muito grande de embalagens para um único produto”, destaca.

Impedimentos

A polêmica gerada pelo assunto, porém, parece estar longe de acabar, ainda mais agora que o Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (Conar) decidiu, por unanimidade, que a Apas deve suspender a campanha “Vamos tirar o planeta do sufoco”.

A representação, feita pela Plastivida Instituto Sócio Ambiental dos Plásticos, se baseou no "Anexo U" do Código Brasileiro de Autorregulamentação Publicitária que trata de "Apelos de Sustentabilidade". A ação movida procurou mostrar que o conteúdo da campanha contraria os oito itens da ética publicitária no que se refere à sustentabilidade. Durante o processo no Conar, a Apas não apresentou qualquer dado científico que embase os apelos ambientais citados na campanha.

Outro pronto questionado se refere ao fato de que, em momento algum, a entidade informou ao cidadão que o custo das sacolas já é embutido no preço dos produtos e que, apesar de deixar de distribuí-las, estas continuam a ser cobradas indiretamente, caracterizando prejuízo econômico ao consumidor, sem qualquer vantagem ambiental.

Outro lado

A Apas, por sua vez, informa, por meio de sua área jurídica, que aguarda a intimação para conhecer na íntegra as razões que levaram o Conar a decidir pela suspensão da campanha. Somente após tomar conhecimento formal, irá se manifestar acerca da decisão e das medidas a serem tomadas.

Em 15 de março, Dia do Consumidor, supermercados do Estado distribuíram sacolas reutilizáveis aos clientes que compraram ao menos cinco itens. Elas poderão, inclusive, ser trocadas após um período de seis meses. Mais de 6 milhões de unidades foram distribuídas nas 2.600 lojas das empresas da Apas.

 

Eventos

«   Maio 2017   »
dstqqss
 1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
   
Veja mais eventos

Receba nossos informativos

Rua Eugênio de Medeiros, 242 - 6º andar - Pinheiros - 05425-900
São Paulo - SP
Mapa de localização

Tel / Fax: 11 3814 1872 e 11 2729 5510
Fale conosco

ABES-SP - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental
canakkale sehitleri vergi kanunlari finans denetim exploit vergi kanun mevzuat engelli blog ne zaman emekli olurum denetim mevzuat denetcilik kanun tuzuk yonetmelik exploit sorgula kanun yonetmelik toplu pagerank google sra sorgulama emeklilik coklu toplu pagerank google pagerank pagerank sorgula toplu pr sorgula php script decode encode google sram kac google sra sorgulama site pr alexa sorgu seo sitesi google seo php script decode encode script encode decode